O intestino não está entre os órgãos que recebe as muita atenção. A maioria das pessoas só se lembra dele quando sente sintomas de seu mau funcionamento, como em casos de prisão de ventre ou cólicas, por exemplo. Porém a medicina não para de descobrir novas funções desse órgão. Mais do que absorver nutrientes e eliminar toxinas, hoje se sabe que o intestino também age na produção de neurotransmissores e hormônios (que influenciam no bem estar e também no ganho ou perda de peso) e no controle do sistema imunológico e das inflamações pelo organismo. Saiba nesse texto mais sobre esse importante e pouco conhecido órgão do nosso corpo.

Função do intestino delgado

O intestino delgado se estende entre o estômago e o intestino grosso. A principal função do intestino delgado é absorver os nutrientes dos alimentos, permitindo que alguns minerais, vitaminas e outros sejam incorporados na corrente sanguínea para aproveitamento pelo organismo. O intestino delgado é dividido em 3 partes: duodeno, jejuno e íleo, que absorvem os seguintes nutrientes:

  • Gorduras;
  • Colesterol;
  • Carboidratos
  • Proteínas;
  • Água;
  • Vitaminas: A, C, E, D, K e complexo B;
  • Minerais: ferro, cálcio, magnésio, zinco e cloro.

Função do intestino grosso

Última parte do sistema digestivo, o intestino grosso também atua na absorção dos nutrientes contidos nos alimentos ingeridos. Ele também é responsável pela absorção de água e pela quebra da celulose dos alimentos, que é feita com ajuda da microbiota intestinal. Além disso, outra função do intestino grosso é formar o bolo fecal, que elimina resíduos dos alimentos e toxinas indesejadas pelo organismo.

Funções do intestino como um todo

A ciência mostra que o intestino como um todo é responsável por uma série de outras funções, tão importantes quanto a absorção de nutrientes e a eliminação de toxinas. Confira:

Produção de hormônios e neurotransmissores

O intestino é ligado ao cérebro por aproximadamente 500 milhões de células neuronais, que atuam de forma bi-direcional, levando e trazendo informações e comandos. Através da liberação de neurotransmissores e hormônios, esse sistema controla:

  • movimento do alimento no intestino;
  • sensação de bem-estar;
  • sensação de fome ou saciedade.

Além disso, cerca de 90% da serotonina, um dos principais “hormônios da felicidade”, é produzida no intestino. 

Barreira imunológica

Com cerca de 300m2 de área de contato, o intestino é a principal porta de entrada do organismo, o que gera grande interação com o sistema imunológico. O muco que cobre toda a superfície intestinal contém diversas moléculas que barram fisicamente a entrada de patógenos (moléculas causadoras de doenças). “Atrás” do muco está o tecido epitelial, que tem na junção entre suas células o espaço necessário para permitir a passagem de nutrientes, mas barrar patógenos que possam  atravessar o muco. Com isso, cerca de 70% das células do sistema imune estão concentradas no intestino.

Microbiota intestinal e obesidade

Em ação conjunta com o sistema nervoso, a microbiota intestinal atua na produção e liberação de neurotransmissores e hormônios que controlam o movimento da comida no intestino e as sensações de bem-estar, fome ou saciedade. A microbiota influencia também na regulação dos níveis de açúcar no sangue e na forma de armazenamento de gordura no corpo.

Quando em desequilíbrio, ela pode ainda provocar um processo inflamatório, que tem potencial para deixar o intestino permeável, uma condição que permite a passagem de bactérias e toxinas para o organismo. Assim, aumentam as possibilidades de ocorrência de obesidade, síndrome metabólica e Diabetes tipo 2. Saiba mais sobre as funções da microbiota intestinal.

Ameaças à saúde do intestino

O intestino pode entrar em desequilíbrio por fatores de origem interna ou externa ao organismo, mas de ocorrência relativamente comum. Confira:

  • substâncias tóxicas derivadas da dieta, como alimentos mal digeridos, corantes, conservantes e adoçantes artificiais;
  • mau funcionamento de outros órgãos, que podem produzir toxinas que chegam ao intestino;
  • substâncias liberadas em quadros de estresse crônico;
  • ação de alguns medicamentos, como antibióticos;
  • substâncias químicas, como agrotóxicos, álcool e tabaco;
  • compostos produzidos por bactérias maléficas.

No intestino, essas substâncias podem gerar diversas consequências, que podem ser leves, como:

  • Inchaço e gases;
  • Cólica;
  • Fadiga;
  • Dores de cabeça;
  • Sensibilidade alimentar.

Ou severas, como:

  • Corpo altamente inflamado;
  • Hiper permeabilidade intestinal (leaky gut)
  • Imunidade baixa;
  • Síndrome do intestino irritável;
  • Alergias;
  • Obesidade;
  • Depressão e alterações no humor.

Dicas para manter o intestino saudável

Confira dicas para melhorar a alimentação e os outros fatores de risco para a saúde intestinal:

Selecione melhor seus alimentos – Evite produtos que utilizem versões artificiais de corantes, saborizantes ou conservantes. O bom é que essas informações estão na própria embalagem dos alimentos. Saiba como ler e interpretar a tabela nutricional.  

Dedique atenção à sua alimentação – Em tempos de tantos estímulos, é preciso direcionar a atenção para o momento da nossa alimentação. Isso garante uma melhor mastigação, que é a primeira etapa na digestão dos alimentos. Conheça e pratique o mindful eating.

Controle seus níveis de estresse – Apesar de ser uma reação natural do organismo, o estresse pode se tornar prejudicial se não for administrado. Entre as ferramentas mais utilizadas para isso estão o sono de qualidade e a prática de exercícios físicos. É possível também baixar os níveis de estresse através do contato com a natureza.

Suplemente o intestino – Assim como o whey é recomendado para quem precisa fortalecer a musculatura e o ômega-3 é indicado para controle do colesterol, o intestino também tem suplementos formulados para o seu fortalecimento. O Collagen Gut, por exemplo, reúne peptídeos de colágeno, fibras prebióticas, glutamina e outros ativos envolvidos na saúde intestinal. Saiba mais.

As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Assim, as informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. Por fim, nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura de ajuda por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essential.

Whey Protein Hidrolisado e Isolado + Precursores da Glutationa.

R$240,00

Uma fórmula completa para o intestino

R$180,00

Golden Milk Superfood

R$190,00

Prebiótico com 5 tipos de fibras

R$130,00