Conhecer os tipos de colágeno é essencial para escolher fontes capazes de repor a proteína no corpo. Como exemplo, alguns são indicados para a pele, enquanto outros atuam com melhor desempenho nas articulações. Ambos podem ser suplementados, uma alternativa para aumentar os níveis de colágeno reduzidos naturalmente com o passar dos anos.

O colágeno tem funções muito importantes no organismo. Suas fibras agem como uma espécie de “cola”, auxiliando na coesão de tecidos e órgãos em geral. Já para pele, ossos, cartilagens, tendões e ligamentos, o colágeno fornece hidratação, resistência, elasticidade e flexibilidade.

O que é colágeno?

O colágeno é uma proteína abundante no nosso corpo. É uma estrutura tridimensional formada por múltiplas triplas hélices. Essas triplas hélices são compostas de várias sequências de três aminoácidos. Com as matérias-primas necessárias, o colágeno é sintetizado naturalmente pelo organismo. Para isso, além dos aminoácidos, é preciso vitamina C, vitamina A, zinco e cobre, entre outros nutrientes.

Para que serve o colágeno?

A família do colágeno representa cerca de 35% do total de proteínas em nosso corpo. Na pele, essas proteínas são formadas principalmente por colágeno tipo I (85%) e III (15%), que ajudam a manter a pele hidratada, elástica e resistente. Já para as articulações e tecidos, o colágeno tipo II é o mais indicado, e auxilia na adesão das estruturas.

Além disso, há 28 tipos de colágeno. Abaixo, confira os principais.

Quais são os principais tipos de colágeno?

Colágeno tipo I

É o mais abundante e é encontrado na pele, tendões, ossos e dentes. Apresenta-se sob a forma de fibras grossas, sendo o mais resistente a tensões.

Colágeno tipo II

É encontrado nas cartilagens. Associa-se a outras células da matriz extracelular, ligando-se fortemente à água, por exemplo. Ele funciona como uma esponja, cedendo água quando pressionado e voltando à forma primitiva quando a pressão cessa. Funciona como uma espécie de mola, que permite ao joelho, por exemplo, aguentar o peso do corpo.

Colágeno tipo III

É comumente encontrado nas artérias, no músculo dos intestinos e do útero e em órgãos como o fígado, o baço e os rins. As fibras deste tipo de colágeno apresentam certa elasticidade, e por isto são sempre encontradas em órgãos de forma variável.

Colágeno tipo IV

É formado por moléculas de colágeno que não se associam em fibrilas. Elas se prendem umas nas outras pelas extremidades e formam uma rede semelhante a uma tela de arame. Ao se associar a moléculas não fibrosas da matriz extracelular, formam uma membrana que age como um filtro.

Onde o colágeno é encontrado na alimentação?

O colágeno é encontrado nos tecidos conjuntivos dos alimentos de origem animal. Por exemplo, é encontrado em grandes quantidades na pele bovina, suína, de frango e de peixes, e também no caldo de ossos feito a partir desses animais. 

Outros alimentos de origem animal que são ricos em proteína com aminoácidos que formam o colágeno são clara de ovos e derivados do leite de vaca. Durante a digestão, estas proteínas são decompostas, e seus componentes (aminoácidos, vitaminas e minerais) são absorvidos pelo nosso organismo. A partir desses ingredientes, o organismo produz o tipo de colágeno de que está precisando.

Colágeno vegano existe?

O colágeno in natura é uma proteína exclusivamente de fonte animal, por isso a dúvida se colágeno vegano existe. Mas os vegetais também são fontes dos aminoácidos  necessários para que a produção do colágeno dentro do organismo aconteça. Podemos citar como boas fontes: ervilha, feijão, lentilha e as nozes, por exemplo. Além dos aminoácidos, existem vitaminas e minerais que participam da produção de colágeno dentro do nosso corpo, como as vitaminas C, A, E, a biotina e os minerais cobre e zinco. 

A laranja e a acerola são fontes famosas de vitamina C, enquanto a manga pode fornecer vitamina A. O abacate contém vitamina E, e as amêndoas fornecem biotina. Boas fontes de minerais são a castanha-de-caju (zinco) e o espinafre (cobre). 

Suplementação com colágeno funciona?

Você já deve ter percebido que alguns suplementos trazem a descrição de colágeno hidrolisado na embalagem, assim como peptídeos de colágeno na composição, e até mesmo precursores de colágeno. Saber a diferença desses conceitos é importante para responder o questionamento se colágeno funciona. Acompanhe.

Suplemento de colágeno hidrolisado

Historicamente, sempre houve dificuldade em suplementar o colágeno por via oral. Pesquisas mostravam que a efetiva absorção desta proteína era mínima, não ajudando a repor a substância na pele. Mas a suplementação também vem evoluindo. Com o processo de hidrólise – quebra do colágeno – em cadeias menores, conseguiu-se uma melhoria na absorção, e o colágeno hidrolisado apresentou resultados, mas ainda abaixo do esperado.

Peptídeos de colágeno

Posteriormente, descobriu-se que a adição controlada de enzimas era capaz de quebrar as cadeias do colágeno já hidrolisado em partículas ainda menores, chamadas peptídeos, facilitando ainda mais sua absorção pelo organismo. Esta melhoria foi percebida em pesquisas, que apontam mais de 90% de absorção dos peptídeos de colágeno no período de 6 horas após a ingestão, o que possibilita, para o nosso corpo, a disponibilidade dos aminoácidos.

Suplemento com os precursores do colágeno

Os precursores de colágeno surgiram principalmente para atender a necessidade do público vegano pela suplementação. Com produtos formulados com aminoácidos, vitaminas e minerais, o corpo tem as matérias-primas necessárias para criar o colágeno naturalmente de que necessita. Mais uma alternativa para estimular a produção da proteína no corpo.

Além disso, um suplemento pró-colágeno pode conter outros ingredientes importantes para a saúde dos tecidos. Entre eles, estão o ácido hialurônico (sustentação, preenchimento e hidratação), os carotenoides (antioxidante, anti-inflamatório e estimulante da produção de melanina), o chá-verde (antioxidante) e o ácido ortosilícico (formação estrutural da pele).

Por que suplementar?

Se o nosso corpo é capaz de produzir colágeno naturalmente, por que devemos suplementar com a proteína de origem animal ou com seus precursores e cofatores? Essa necessidade se dá por alguns motivos específicos. Confira alguns deles:

Benefícios do colágeno tipo I para a pele

A síntese de colágeno varia durante os diferentes estágios da vida, e a proporção entre os tipos na pele também muda conforme a idade. A pele jovem é composta, em média, de 80% tipo I e 15% tipo III. Com o passar dos anos, a capacidade de reabastecer colágeno diminui naturalmente cerca de 1,5% ao ano, e as fibras tornam-se mais espessas e curtas, resultando em perda de tipo I e desequilíbrio na proporção entre os tipos.

A densidade do colágeno e da elastina na derme também diminui. Portanto, a estrutura e elasticidade da pele tornam-se mais finas e rígidas. Além disso, ocorre a perda de ácido hialurônico, que resulta em diminuição da umidade e flexibilidade da pele. Todas essas alterações reduzem a firmeza da pele e desalinham os contornos faciais, o que resulta em linhas de expressão e sulcos agravados pela força da gravidade.

Outro fator é a redução no poder do sistema antioxidante do organismo com o passar dos anos. Isso leva ao acúmulo de compostos oxidantes dentro de nossas células. Estes compostos são os famosos radicais livres. Eles são capazes de quebrar as proteínas de colágeno, alterar o ciclo de renovação da pele, danificar o DNA e promover a liberação de citocinas inflamatórias – os principais gatilhos na geração de alterações inflamatórias da pele.

Assim, é possível identificar que os principais benefícios para a pele são:

  • auxilia a manter a estrutura e elasticidade;
  • colabora com a firmeza;
  • ajuda a evitar o desalinhamento do contorno facial; 
  • diminui o aparecimento de linhas de expressão e rugas.

Benefícios do colágeno tipo II para as articulações

A cartilagem presente na extremidade dos ossos é constituída por, aproximadamente, 60% de colágeno tipo II. Por razões multifatoriais, como inflamação crônica, fraqueza muscular, envelhecimento natural, exercícios de impacto, sobrepeso ou obesidade, as articulações se desgastam. Este desgaste, conhecido como artrose, pode gerar um processo de inflamação e dor. Hoje, estima-se que cerca da metade da população com mais de 50 anos seja acometida por essa degeneração.

Estudos mostram que a suplementação com colágeno tipo II pode reduzir a secreção de enzimas que atacam as cartilagens, melhorando o quadro inflamatório. A função terapêutica mais conhecida da suplementação com colágeno tipo II é o alívio nos sintomas de dor, porém pesquisas também apontam para um potencial aumento da densidade óssea e um efeito protetor da cartilagem articular.

Desta forma, podem ser citados como principais benefícios: 

  • atuação na melhoria de inflamações nas cartilagens;
  • alívio de dores de problemas nas articulações;
  • colaboração com o aumento da densidade óssea;
  • ajuda na proteção da cartilagem articular.

Como escolher um suplemento com colágeno?

Para acertar na escolha entre os tipos de colágeno, você pode selecionar conforme o benefício que pretende atingir. Veja alguns exemplos.

Para pele, unha e cabelo

Prefira suplementos que trazem peptídeos de colágeno hidrolisado. Como vimos acima, os peptídeos possuem tamanho bem menor, o que torna sua absorção superior. Um benefício maior pode ser obtido com um suplemento que também contenha vitaminas e ingredientes que complementam a sua ação.

Para articulações

O ideal é que estes suplementos contenham colágenos dos tipos I e II. Isso porque os estudos mostram que, enquanto o tipo II atua para reduzir a inflamação das articulações e diminuir a secreção de enzimas que atacam as cartilagens, o tipo I estimula a reconstituição da cartilagem desgastada.

Com os precursores de colágeno

Um bom suplemento pró-colágeno precisa fornecer os aminoácidos precursores do colágeno com os cofatores (vitaminas e minerais) necessários para que a produção endógena de colágeno aconteça. Por isso, observe quais são os aminoácidos da fórmula e se estão presentes os cofatores para esta síntese. 

Melhor horário para suplementar

Os colágenos devem ser consumidos longe de outras refeições, diluídos em água ou suco de frutas cítricas. Frutas cítricas são ricas em vitamina C, o que ajuda na absorção.

Por isso, recomenda-se a ingestão logo pela manhã em jejum, ou à noite, antes de dormir. Estudos indicam que a produção interna pode ser impulsionada pela presença de GH (hormônio do crescimento) na corrente sanguínea, e no período noturno é quando nosso corpo produz o GH em maior quantidade.

Depois de conhecer os tipos de colágeno, você pode dar sequência na busca por informações sobre esse tema aqui no blog. Leia o conteúdo que aborda a absorção do colágeno em pó como fonte de reposição eficiente para o seu corpo.

 

 

As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura de ajuda por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essential.

Colágeno hidrolisado com ácido hialurônico

R$150,00

Colágeno hidrolisado com ácido hialurônico

R$165,00

Colágeno hidrolisado com ácido hialurônico

R$165,00

Pró Colágeno Vegano – com Ácido Hialurônico

R$185,00