As linhas finas, rugas e perda de elasticidade são sintomas comuns associados com o envelhecimento da pele. O acúmulo de exposição ambiental e uma diminuição natural na renovação celular contribuem para outros sinais associados com a idade: pele seca e sem brilho1.

Certos cuidados podem melhorar a aparência jovem e saudável da pele.

O QUE É O COLÁGENO?

colágeno é uma proteína formada por uma tripla hélice de aminoácidos que compõe as fibras de sustentação do corpo. É a proteína mais abundante do corpo humano, representando 25% do total de proteínas, sendo o maior constituinte do tecido conectivo, ou seja, da pele, tendões, cartilagem e ossos. O colágeno é sintetizado pelos fibroblastos (células da pele), condrócitos (células da cartilagem) e osteoblastos (células ósseas), e existem 23 tipos de colágeno, sendo que os tipos 1 e 3 são os que estão presentes na pele2,3.

Devido a sua forma, é uma proteína bastante elástica e, por isso, consegue exercer sua função de manter a resistência e elasticidade da pele, dos ossos, músculos, tendões e ligamentos, evitando fraturas, distensões e rompimentos nessas estruturas. A reparação constante da estrutura do colágeno favorece a manutenção do brilho e maciez da pele, evitando a formação de sulcos que originarão as rugas2,4.

É fácil perceber a deficiência de colágeno e de tecido conjuntivo na pele. As alterações, observadas com o avanço da idade, estão diretamente relacionadas às mudanças da qualidade e da quantidade de colágeno. O tecido conjuntivo, que serve como base estrutural, apresenta rigidez e menor elasticidade, gerando o aparecimento de atrofia, rugas e lassidão na superfície da pele1.

JUVENTUDE x ESTRESSE OXIDATIVO

O sol excessivo, cigarro e toxinas podem afetar a elasticidade da pele, mas outro fator também tem sido diretamente ligado ao envelhecimento cutâneo: a glicose. Ela é fundamental para a vida da célula, pois é o seu combustível, no entanto, observando a velocidade com que os indivíduos diabéticos envelhecem, notou-se que a exposição crônica a esse carboidrato simples estimula no corpo um processo chamado glicação5.

A glicação é um processo químico que ocorre dentro do corpo no qual uma proteína (colágeno) e um carboidrato (glicose) se reagem ao se encontrarem. Essa ligação faz com que o colágeno seja destruído e perca sua função de sustentabilidade6-8. Evidências também mostram que as reações de glicação são aceleradas pelo estresse oxidativo (veja quadro a lado) nas células da pele9, que age como fator central nos eventos que desencadeiam o envelhecimento cutâneo na célula4.

O QUE É O ESTRESSE OXIDATIVO?

“O oxigênio que respiramos gera naturalmente compostos oxidantes dentro de nossas células. Esse é um processo necessário para a formação de energia e para que as células se mantenham vivas. Para combater esses compostos, o corpo desenvolveu um sistema antioxidante, ou seja, um sistema parecido com “sujou, lavou”. São enzimas, proteínas, vitaminas e minerais que recuperam a célula e mantém nossa vivacidade. Com o tempo, o corpo já não é mais o mesmo e não consegue se recuperar facilmente, necessitando de uma ajuda externa para reparar seus tecidos.”10

Os famosos “radicais livres” são capazes de quebrar as proteínas (colágeno), alterar o ciclo de renovação da pele, danificar o DNA e promover a liberação de citocinas inflamatórias – os principais gatilhos na geração de alterações inflamatórias da pele4,11-14.

COLÁGENO E FATORES HORMONAIS

Além de apresentar uma quantidade de colágeno menor que os homens, as mulheres sofrem com a questão hormonal. A deficiência de hormônios sexuais  (estrógeno, testosterona, DHEA) e de hormônio do crescimento que ocorre no sexo feminino por volta dos 45-50 anos reduz a produção de fibroblastos (células que produzem colágeno). Sem elasticidade dos tecidos, o sangue não percorre nas mesmas velocidade e fluxo, reduzindo o aporte sanguíneo para as células, a pele e as glândulas sebáceas. Estes hormônios em particular possuem grande influência sob a pele15-23.

AVANÇO DA IDADE, GLICAÇÃO, ESTRESSE OXIDATIVO E QUEDA HORMONAL: O QUE POSSO FAZER PARA COMBATÊ-LOS?

Juntos, esses processos são os responsáveis por deteriorar o colágeno da pele, esgotar as reservas de vitamina A e C e de todos os outros estoques de antioxidantes que produzimos e ingerimos para manter a pele bonita. Eliminar os fatores primários e fornecer os nutrientes certos para a reparação normal da pele e das suas células é evidenciado em diversos estudos científicos. Diante disso, a área da Nutrição aproveita-se dos benefícios do colágeno hidrolisado, ou dos Peptídeos de Colágeno, aminoácidos específicos que atuarão no local desejado do corpo, apresentando muitos benefícios.

O QUE SÃO OS PEPTÍDEOS DE COLÁGENO?

Os Peptídeos de Colágeno são pequenos agrupamentos de aminoácidos obtidos do colágeno tipo 1, através de processo produtivo que utiliza tecnologia de ponta e controles rígidos de hidrólise química e enzimática. Desta forma, facilita-se a absorção do colágeno e sua chegada na pele3.

DE QUE FORMA ELES MELHORAM A PELE?

Os peptídeos de colágeno têm-se mostrado muito eficaz na melhora do aspecto da pele. Estudos avaliaram a ingestão de 10g de peptídeos de colágeno por dia, comparados com o grupo controle que não consumiu esta proteína. Foram obtidos resultados surpreendentes, dentre os quais: aumento da hidratação da pele em 28% para 91% do grupo após oito semanas de consumo, redução de 41% das microrrugas para 77% do grupo após seis semanas de consumo, e redução de 17% do total da superfície enrugada para 68% do grupo após 12 semanas. Já o grupo controle apresentou aumento de 30% nas rugas profundas após as 12 semanas de estudo. Portanto, a ingestão de peptídeos de colágeno está intimamente ligada aos indicadores de beleza de pele, tais como aumento da hidratação, melhoria da maciez, graças à redução de microrrugas e prevenção de rugas profundas. Estes benefícios estão ligados ao estímulo da produção do colágeno endógeno provocado pelo consumo dos peptídeos, graças a sua composição única de peptídeos e aminoácidos3.

 

Eles podem agir como uma fonte de proteína, mas contêm aminoácidos específicos e essenciais à pele. Veja o quadro abaixo:

COMPARAÇÃO ENTRE OS VALORES MÉDIOS DE AMINOÁCIDOS DE TRÊS FONTES PROTEICAS3

% de aminoácidos

Peptídeos de colágeno

Proteína concentrada do soro do leite

Proteína isolada de soja

Ácido glutâmico

11

13

19

Glicina

20

1,5

4

Hidroxiprolina

12

0

0

Prolina

13

4

5

 

SUPLEMENTAÇÃO COM PEPTÍDEOS DE COLÁGENO, VITAMINAS E MINERAIS

Nem sempre a alimentação pode ser suficiente para fornecer a quantidade ideal de nutrientes que nosso organismo precisa a partir 30 anos ou diante dos sinais, como os citados acima.

Proksch e colaboradores realizaram um estudo com o objetivo de avaliar se o colágeno hidrolisado é eficaz nos parâmetros relacionados com o envelhecimento cutâneo. O estudo avaliou 69 mulheres com idade entre 35 e55 anos. Os pesquisadores observaram que a suplementação de 2,5 g ou 5,0 g de colágeno hidrolisado uma vez ao dia durante oito semanas melhorou significativamente a elasticidade da pele das mulheres participantes24. Entretanto, os pesquisadores ressaltam que a formação de colágeno na pele, seja proveniente tanto da alimentação quanto da suplementação, é associada com a ingestão de outros nutrientes, como a vitamina C e silício25-27.

A suplementação de peptídeos de colágeno está intimamente ligada aos indicadores de beleza de pele, tais como aumento da hidratação, melhoria da maciez, graças à redução de microrrugas e prevenção de rugas profundas28,29. Estes benefícios estão ligados ao estímulo da produção do colágeno endógeno provocado pelo consumo de peptídeos de colágeno, graças a sua composição única de peptídeos e aminoácidos3, 28,29.

Os artigos aqui postados não necessariamente expressam a visão da Empresa 

Referências:
1-Varani J,Dame MK, Rittie L, Fligiel EG, Kang S, Fisher GJ, Voorhees JJ. Decreased Collagen Production in Chronologically Aged Skin. American Journal of Pathology, Vol. 168, No. 6, June 2006.

2-Lodish H, Berk A, Zipursky SL, et al. Molecular Cell Biology. 4th edition. New York: W. H. Freeman; 2000. Section 22.3, Collagen: The Fibrous Proteins of the Matrix. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK21582/

3-Rousselout. Benefícios da ingestão de Peptídeos de Colágeno Peptan™.

4-Masaki, H., et al. Role of antioxidants in the skin: anti-aging effects. J Dermatol Sci (2010): 85-90.

5-van Boekel MA. The role of glycation in aging and diabetes mellitus. Mol Biol Rep. 1991 May;15(2):57-64.

6-Pageon H et al. Collagen glycation triggers the formation of aged skin in vitro. Eur J Dermatol. 2007 Jan-Feb;17(1):12-20. Epub 2007 Feb 27.

7-Pageon H et al. Reconstructed skin modified by glycation of the dermal equivalent as a model for skin aging and its potential use to evaluate anti-glycation molecules. Exp Gerontol. 2008 Jun;43(6):584-8. Epub 2008 Apr 7.

8-Pageon, H. “Reaction of glycation and human skin: the effects on the skin and its components reconstructed skin as a model.” Pathol Biol . (2010): 226-31.

9-Kikuchi S et al. Glycation–a sweet tempter for neuronal death. Brain Res Brain Res Rev. 2003 Mar;41(2-3):306-23.

10-Barbosa KB, et al. Estresse oxidativo: conceito, implicações e fatores modulatórios. Rev. Nutr. vol.23 no.4 Campinas July/Aug. 2010.

11-Burke, KE., et al. “Synergistic damage by UVA radiation and pollutants.” Toxicol Ind Health (2009):219-24.

12-Fisher, et al. “Collagen fragmentation promotes oxidative stress and elevates matrix metalloproteinase-1 in fibroblasts in aged human skin.” Amer J Pathol (2009) 101-114.

13-Pascucci, et al. “Role of nucleotide excision repair proteins in oxidative DNA damage repair: an updating.” Biochem (2011): 4-15.

14-Rock, K., et al. “Collagen fragments inhibit hyaluronan synthesis in skin fibroblasts in responseto ultraviolet B (UVB): new insights into mechanisms of matrix remodeling.” J Biol Chem (2011): 18268-76.

15-Chahal, HS., et al. “The endocrine system and ageing.” J Pathol (2007):173-80.

16-Makrantonaki, E., et al. “Skin and brain age together: The role of hormones in the ageing process.” Exp Gerontol (2010): 801-13.

17-Makrantonaki, E., et al. “Androgens and ageing of the skin.” Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes (2009): 240-5.

18-Ramos-e-Silva, M., et al. “Elderly skin and its rejuvenation: products and procedures.” J Cosmet Dermatol. (2007): 40-50.

19-Verdier-Sévrain S.”Effect of estrogens on skin aging and the potential role of selective estrogen receptor modulators.” Climacteric. (2007): 289-97.

20-Hall G, et al. “Skin and hormone therapy.” Clin Obstet Gynecol (2004): 437-449.

21-Phillips, T J., et al. “Hormonal effects on skin aging.” (2001): 661-672.

22-Kanda, N., et al. “Regulatory roles in sex hormones in cutaneous biology and immunology.” J Dermatol Sci (2005): 107.

23-Raine-Fenning, NJ., et al. “Skin Aging and menopause; implications for treatment.” (2003); 371-8.

24-Proksch E, Segger D, Degwert J, Schunck M, Zague V, Oesser S. Oral supplementation of specific collagen peptides has beneficial effects on human skin physiology: a double-blind, placebo-controlled study. Skin Pharmacol Physiol. Epub 2013 Aug 14.

25-Orbe J, Rodríguez JA, Arias R, Belzunce M, Nespereira B, Pérez-Ilzarbe M, Roncal C, Páramo JA. Antioxidant vitamins increase the collagen content and reduce MMP-1 in a porcine model of atherosclerosis: implications for plaque stabilization. Atherosclerosis. 2003 Mar;167(1):45-53.

26-Boyera N, Galey I, Bernard BA. Effect of vitamin C and its derivatives on collagen synthesis and cross-linking by normal human fibroblasts. Int J Cosmet Sci. 1998 Jun;20(3):151-8.

27-Peterkofsky B. Ascorbate requirement for hydroxylation and secretion of procollagen: relationship to inhibition of collagen synthesis in scurvy. Am J Clin Nutr. 1991 Dec;54(6 Suppl):1135S-1140S.

28-Zague V, de Freitas V, da Costa Rosa M, de Castro GÁ, Jaeger RG, Machado-Santelli GM. Collagen hydrolysate intake increases skin collagen expression and suppresses matrix metalloproteinase 2 activity. J Med Food. 2011;14(6):618-24.

29-Faipoux, R. 2007. Characterization of the satieting effect of proteins and central mechanism implicated – Particular case of the yeast peptides and proteins. INA – Paris- -Grignon

30-Zague V. A new view concerning the effects of collagen hydrolysate intake on skin properties. Arch Dermatol Res. 2008;300(9):479-83.

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essential.”